segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Soneto da Promessa

Prometo que vou te fazer chorar
de dúvida, decepção e desespero.
Também vou te fazer sangrar
de um jeito ou de outro um.

Lembrando que eu também não sei nadar,
prometo segurar com força na sua mão.
Mas quando for realmente necessário,
pode ser que, me perdoe, eu não esteja lá.

Prometo ainda errar muito sem perceber.
Pensar mal, falar besteira e fazer merda.
Te fazer odiar, mais ainda e com razão, os homens.

Sei que é arriscado, sei o que pode ser perdido.
Sei que é difícil, mas já tentei, tentei e não consigo.
Menina, te desafio: me enfrenta, vem comigo.