quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Olhar e andar

São duas brincadeiras que brinco de vez em quando. Curiosamente, é impossível brincar das duas ao mesmo tempo. Im-pos-sí-vel (será que eu separei as silabas certo?). Não é como pega-pega e banco imobiliário, que mesmo sendo complicado, ainda dá pra brincar. É só o pegador não guardar caixão perto do tabuleiro, senão ele paga uma multa. E pra deixar mais emocionante, deve-se ter um revés "tá com você!". Sempre se lembre de pegar os 200 dinheiros quando passar pelo ponto de partida.

Mas vamos lá. Primeiro a brincadeira do olhar. É assim: sempre que você estiver parado com pessoas em volta (no ponto de ônibus pra ir pra usp, no onibus pra usp, na usp...) você tem que ficar passeando com os olhos até encontrar os olhos de alguém. Quando acontece o contato visual, aí que o negócio pega fogo. Você só pode tirar os olhos da pessoa depois que ela desviar o olhar. É um jogo pra ver quem tem mais e menos vergonha ( é também um treinamento, porque você vai melhorando). Quando você ganha, você dá um sorrisinho e vai fazer outra coisa. Se você perde, você fica triste e envergonhado. É legal!

O outro jogo é o de andar, e é bem fácil: sempre que você tiver uma caminho reto pra andar e com poucos obstáculos, como uma calçada deserta, você tem que fechar os olhos bem forte e ir andando reto. É um teste de coragem. Comece dando uns 10 passos de olhos fechados. Depois vai pra 20, e assim em diante. Meu recorde foram uns 50, mas eu ainda acho pouco. Quando eu conseguir dar 100 passos eu venho aqui contar pra vocês!

São essas as brincadeiras que eu brinco. Brinco de andar pra ter mais coragem e de olhar pra ter menos vergonha. Vocês deviam tentar.

10 comentários:

Alice Agnelli disse...

Fontes, caraca!
Genial!

Eu sempre fico olhando em volta pra ver se acho os olhos de alguém, mas é muito muito muito difícil!

As pessoas não olham muito pras outras, e as que olham, ou logo desviam ou fingem que nao olharam, ou olham com outras intenções que não seja uma olhada casual, assim, de boa, só por olhar.

Sendo assim, olhar as pessoas nos olhos, para olhá-las nos olhos anda sendo algo raro. Eu até já tinha comentado uma vez que era uma verdadeira pena e uma coisa horrível de se acontecer...

Quanto a parte 2 do jogo eu não sabia. Tipo, eu parava no sorrisinho. Só, cabou. Que bom que vc me falou, porque agora eu posso brincar na íntegra!

A do andar, na verdade, eu acho mais difícil. Quer dizer, é mais fácil de se fazer porque é uma brincadeira que depende de você e do seu caminho -e não de outro ser humano- mas analisando minha posição como menina totalmente desastrada, acho que seria realmente perigosa.

Pensa, eu já tropeço sabendo que daqui 3 passos vai ter uma pedra no meu caminho, imagina se eu não souber que tem a pedra no caminho.

Aí eu não vou treinar minha coragem, eu vou trenar minha facilidade em cair. Se bem que eu posso aprender a cair de modos menos machucáveis. Sei lá.

Ainda assim, eu sou mais a primeira.

(E realmente, as duas juntas são impraticáveis.)

Fontes disse...

O comentário mais longo que eu já vi na minha vida inteira. Gostei!

Tulio Bucchioni disse...

Olha que eu já brincava da primeira e nunca tinha parado pra pensar que isso era de fato uma brincadeira! - ou um vício.

Sabe, acho que seria legal tentar a segunda. Às vezes a gente deixa de fazer tantas coisas legais!

Enfim, mais uma vez Fontes me surpreende! Quero mais.
hahaha

Maria Joana disse...

Ah! Eu sempre brinco de andar. Mas não costumo contar os passos... vou começar a fazer isso. Na verdade eu brincava mais de andar quando morava em Sâo Pardo, eu sempre ia a pé pra todos os lugares, acho q atravessava a cidade umas 4 vezes por dia contando ida e volta. tinha de arranjar algo pra fazer nessa andança toda. É bom também, quando se está de olhos fechados, tentar perceber o que tem ao seu redor.. e ficar adivinhando.. será que já passou aquele degrauzinho da calçada? estou passando do lado do poste? tem pessoas conversando dentro dessa loja ao lado? é bom...eu não sei porque não ando praticando isso em são paulo... talvez porque eu não me sinta totalmente à vontade ainda andando por aí. não tanto quanto aqui. Se bem que na usp é muito bom de se praticar! Vou começar a contar os passos, depois comparamos.

Eu também brinco de olhar, mas minha brincadeira de olhar é diferente. Eu gosto de observar as pessoas sem que elas percebam que eu estou observando. Observar os detalhes, as expressões, as roupas... e tentar guardar bem esses detalhes, essas imagens. Vou formando uma grande coleção de imagens de gente na minha cabeça, eu posso ver claramente alguns. Tem alguns outros detalhes que eu escrevo pra não esquecer. Que nem quando do meu lado sentou uma mulher que tinha cheiro de bolacha. E quando vi na biblioteca uma mocinha que tinha cara de rato. E o moço que tinha no braço tatuado solidão... Eu gosto também de observar o que as pessoas lêem no trem. Na verdade fico bem feliz quando vejo que tem bastante gente lendo, gente que sempre anda com um livro na mão e abre em qualquer paradinha que dá. Na verdade, eu queria ter uma câmera fotográfica dentro dos olhos... ia ser bem legal!

Ah.. você já brincou de andar descalço? é melhor ainda.. aumenta tua percepção, vc também sente o que pisa.É bom!

Maria Joana disse...

(acho que meu comentário rivalizou em tamanho com o da alice)

Felipe M. Ferreira disse...

ele não só faz essas paradas, como fala e as publica. Fuckin' freak friends!

Felipe Lobo disse...

Fontes, endosso o que disse a Alice (rimou sem querer, sorry): GENIAL!

Eu sempre brinco de olhar as pessoas. E sempre perco. Sempre! Sempre não é verdade, mas essa é uma hipérbole que eu adoro usar. Mas eu perco mais do que ganho. Sou tímido, afinal (eu acho).

Eu brinco de fechar os olhos e adivinhar o caminho que eu já conheço bem. Faço isso no ônibus também, já que passo horas dentro dele. Tento adivinhar onde estou a partir das curvas, barulhos, percepções em geral. Difícil, viu. Até porque não aguento muito de olhos fechados...

além disse...

Demais. (:
brinco desse de fechar os olhos na paulista, mas segurando em alguém... afinal a Paulista é um TANTO qaunto movimentada...


Mais coragem e menos vergonha.
Vou tentar.

Flavio Moreira disse...

Ah, olhar dá um medo... parece sempre, como disse a Alice (rimou tbm, ai, ai), que há "intenções terceiras". Mas acho que vale a pena tentar. Tirar a lente de aumento do medo da frente dos olhos - acho isso bom.
Sim, é o segundo comentário que posto no seu blog hoje, em menos de uma hora. É porque o estou visitando pela primeira vez e estou gostando demais do que estou lendo e dos comentários das pessoas. Foi a "hora roubada" do trabalho mais valiosa dos últimos dias. Um achado.
Quero ler mais...
Abraços,

Anônimo disse...

bom comeco