quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Imbróglio expataqüável de convicções intraencefálicas

Hoje, tudo é arte:
Economia-arte, futebol-arte.
A arte de eficientemente maximizar a produção interna humana da empresa fazendo pausas de exatos 5 minutos regularmente a cada 2 horas e um churrasco de fim de ano.
Os novos capatazes, RH-arte.
A gente agüenta, faz parte.

A Arte da Guerra,
a guerra da arte:
Computadores fazem arte.
Artistas fazem dinheiro.

Toda essa arte me cansa os olhos
e me dá uma artrite danada.

Meu meio é mensagem,
minha meta é metáfora
meu sentido, sentimento.

Meu jogo,

Enigma.

4 comentários:

Renata disse...

e seu pensamento? Torto.

Alice Agnelli disse...

ai, fontes,
seu arteiro.

pepê disse...

tudo é arte, até a crítica fingida:
computadores fazem arte de tiro certeiro e artistas, artistas, enfim, fazem dinheiro.

gostei muito, meu amigo..

abraços

Hugo Neto disse...

Artista,
Uma pergunta: não seria a Arte meramente um Artifício? Ou seria ela um canal de transcendência? Caso seja um artifício, a Arte surge como um modo personalíssimo de fazer desmoronar as estruturas, de fazer ruírem os edifícios de condutas apócrifas (!) e de fazer o mundo girar num outro ritmo. Se assim for, em tudo há arte: na guerra, na política, na economia, na culinária, na educação dos filhos (“A Arte Perdida de Educar seus Filhos”, um livro que venderia milhares de cópias em vão), no erotismo, na pornografia, nas aulas de, digamos, História (adoro exemplos tendenciosos). Porém, se, contrariamente, a Arte for uma exaltação que esvazia a mente, que desfaz a vontade de continuar-a-ser, que separa (ainda que brevemente), o homem do mundo e o homem dos demais homens, lançando-o num vácuo acessível somente aos deuses, então, bem, nada é Arte, pois a Arte estaria além do humano. Enfim, também não sei o que é Arte, mas reconheço a presença dela, assim como, na infância, sentia o fugaz perfume de jasmim das assombrações na velha casa de meus avós. Seu poema começa com uma proposição e termina em enigma. Procedo, coerentemente, da mesma forma. Uma boa ação merece ser seguida.