segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Silêncio

O Silêncio deve encobrir
solos de piano
cantigas pra dormir
quadros surrealistas.
Passeios de bicicleta e
abraços que não dão certo.

O Silêncio deve encobrir
filmes do cinema
e programas da televisão
e coceiras no fundo do ouvido.
Almoços bem comidos,
olhos mágicos da porta de visitas,
ideias repentinas,
mexericas geladas,
fogos de artifício.

O Silêncio deve encobrir
o preto e o branco
a avant-guarde paulistana
o corvo no umbral
a música como um todo
os sonhos de agora
os quatro cavaleiros do apocalipse.

Qualquer pensamento se ajoelha
diante do silêncio,
fotografia do infinito.

Cala.

4 comentários:

Tulio Bucchioni disse...

Gostei. Apesar de odiar o silêncio na maioria das vezes.

Hugo Neto disse...

Senti frio quando li o seu poema: pareceu-me que era vindo do silêncio da morte. Tocou-me e, em silêncio, vou dormir agora, espero, ainda não para sempre (amém)

Anônimo disse...

silêncio: eloquência maior que qualquer verbosidade nervosa

Anônimo disse...

酒店經紀人,菲梵酒店經紀,酒店經紀,禮服酒店上班,酒店小姐,便服酒店經紀,酒店打工,酒店寒假打工,酒店經紀,酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工經紀,制服酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工,酒店經紀,制服酒店經紀,酒店經紀
,